Especialidades

Prolapso retal

Epidemiologia

  • Definição: prolapso de reto é a exteriorização do reto pelo ânus.
  • Incidência: eminentemente em mulheres a partir dos 60 anos, em indivíduos com histórico prolongado de prisão de ventre e em crianças pequenas, antes dos três anos de idade.
  • Sintomas: dificuldade para defecar; sensação de evacuação incompleta; cólicas abdominais; alterações nos hábitos intestinais; diarreia; sangramento do ânus.

Diagnóstico

  • O exame médico consiste no toque do músculo anal com o dedo e realização de um exame radiológico do intestino grosso para identificar possíveis doenças subjacentes.

Tratamento

  1. Cirúrgico:A maioria dos casos de prolapso retal requer tratamento cirúrgico, que deve ser realizado o mais rápido possível, uma vez que condutas expectantes podem causar danos nervosos e esfincterianos permanentes.
  2. Cirurgia convencional: consiste na retirada de uma parte do reto e na fixação do mesmo ao osso sacro. Esse tipo de procedimento poder ser realizado por via perineal ou abdominal (aberta). A técnica perineal é considerada menos invasiva do que a abdominal (aberta); no entanto ambas técnicas possuem resultados similares no que se refere a benefícios pós-operatórios para o paciente.
  3. Técnica cirúrgica minimamente invasiva: a cirurgia minimamente invasiva tem como objetivo a máxima preservação da anatomia com a mínima agressão ao organismo. Os benefícios da cirurgia minimamente invasiva incluem: melhor resultado estético; menos dor pós-operatória; menor taxa de complicações; recuperação mais rápida; alta hospitalar precoce; retorno mais rápido às atividades habituais e maior conforto do paciente. Para mais informações sobre essa técnica, clique aqui.

Prognóstico

  • A rapidez do diagnóstico e do tratamento é fundamental para a possibilidade de cura. Apesar do tratamento ser uma intervenção simples, a cirurgia deve ser feita o mais breve possível para evitar que os danos no reto se tornem permanentes.
« voltar
mar 25, 2014 | Publicado por in Especialidades | Comentários desativados