Formados na parede do intestino grosso (cólon). Embora estes sacos possam se formar em qualquer lugar no cólon, eles são mais comuns no cólon sigmoide (parte do intestino grosso mais próxima do reto).

  • Diverticulose: A presença de divertículos sem complicações ou problemas associados. A condição pode levar a problemas mais graves, incluindo diverticulite, perfuração (formação de furos), estenose (um estreitamento do cólon que dificulta a passagem das fezes), fístulas e sangramento.
  • Diverticulite: Uma condição inflamatória do cólon aparentemente causada pela perfuração de um dos sacos. Várias complicações secundárias podem resultar de um ataque de diverticulite. Quando isso ocorre, é chamado de diverticulite complicada.

Complicações da diverticulite

  • Formação do abscesso e perfuração do cólon com peritonite. Um abscesso é uma bolsa de pus protegido pelo corpo. A peritonite é uma infecção potencialmente fatal que se espalha livremente no abdômen, fazendo com que os pacientes fiquem bastante doentes.
  • Hematoquezia ou Hemorragia franca (sangramento nas fezes)
  • Formação de um estreitamento do cólon que evita a fácil passagem das fezes (chamado estenose)
  • Formação de um trato ou túnel para outro órgão ou pele (chamada fístula). Quando uma fístula se forma, ela geralmente liga o cólon à bexiga. Também pode conectar o cólon à pele, útero, vagina ou outra parte do intestino.

Causas

A teoria mais comumente aceita liga a diverticulose com a alta pressão dentro do cólon. Esta pressão faz com que as áreas fracas da parede do cólon se rompam e formem sacos. Uma dieta com pouca fibra e muita carne vermelha também pode desempenhar um papel crítico na formação destes sacos. Atualmente, não é bem entendido como esses sacos se inflamam e causam diverticulite.

Sintomas

A maioria dos pacientes com diverticulose não apresentam sintomas ou complicações. Alguns pacientes com diverticulite apresentam dor abdominal inferior e febre ou podem ter sangramento retal.

Diagnóstico

A diverticulose geralmente não causa sintomas. Ela pode ser diagnosticada durante testes de triagem, como uma colonoscopia. Uma TC do abdômen e da pelve pode ser usada para confirmar o diagnóstico de diverticulite.

Tratamento

A maioria das pessoas com diverticulose não apresenta sintomas. No entanto, como medida preventiva, é aconselhável ter uma dieta rica em fibras, frutas e vegetais e limitar a carne vermelha.

A maioria dos casos de diverticulite pode ser tratado com antibióticos em forma de pílula ou intravenosa (IV). A diverticulite com abscesso pode ser tratada com antibióticos com um dreno colocado sob orientação de tomografia ou ultrassonografia.

A cirurgia para doença diverticular é indicada para os seguintes casos:

  • Uma ruptura no cólon que faz com que o pus ou fezes vazem na cavidade abdominal, resultando em peritonite, que geralmente requer cirurgia de emergência.
  • Um abscesso que não pode ser efetivamente drenado.
  • Casos graves que não respondem à terapia médica, incluindo antibióticos IV e hospitalização. Pacientes com problemas do sistema imunológico (por exemplo, relacionados a um transplante de órgãos ou quimioterapia).
  • Uma estenose ou fístula do cólon.
  • Um histórico de ataques múltiplos pode fazer com que o paciente que decida se submeter a uma cirurgia para prevenir futuros ataques.

A cirurgia para doença diverticular geralmente envolve a remoção da parte afetada do cólon. Pode ou não envolver uma colostomia ou ileostomia (intestino trazido através da parede abdominal para drenar em uma bolsa). Uma decisão sobre o tipo de operação é feita caso a caso.

O que é um cirurgião de cólon e reto?

Cirurgiões cólon e reto são especialistas no tratamento cirúrgico e não cirúrgico de doenças do cólon, do reto e do ânus. Eles completaram o treinamento cirúrgico avançado no tratamento dessas doenças, assim como a formação completa em cirurgia geral.

Os cirurgiões certificados pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia completam residências em cirurgia geral e cirurgia do cólon e do reto, e devem passar por testes intensivos (prova de titulo) realizados pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia.

Estes cirurgiões têm conhecimento no tratamento das doenças benignas e malignas do cólon, do reto e do ânus, e tem capacidade para realizar exames de detecção rotineiros e tratar cirurgicamente estes problemas caso seja necessário.