Especialidades

Pancreatites agudas e crônicas

É uma inflamação do pâncreas que pode ser aguda ou crônica.

Pancreatite aguda: Pode ser causada pela migração de cálculos biliares que interrompem o fluxo das secreções pancreáticas, provocando processo inflamatório intenso. O álcool pode ser a causa das pancreatites agudas.

Pancreatite crônica: Ocorre quando há alteração no parênquima pancreático causada pela ingestão de álcool. O principal duto pancreático fica dilatado por causa do depósito de cálculos formados principalmente por cálcio em seu interior. Os pacientes com pancreatites crônicas podem ter surtos de pancreatite aguda.

Epidemiologia

  • A inflamação do pâncreas costuma atingir homens e mulheres a partir dos 40 anos de idade. Em até 70% dos pacientes adultos, a pancreatite tem relação direta com o consumo de álcool.

Sinais e sintomas

  • Dor abdominal forte associada a náuseas e a vômitos. Nos casos crónicos, pode haver diarreia e eliminação de gordura nas fezes.

Diagnóstico

  • Sintomas descritos pelo paciente, juntamente com exames clínicos e sanguíneo. O histórico do paciente é fundamental para ajudar no diagnóstico. Ultrassonografia e raio-x de abdômen confirmam o reconhecimento da doença.

Tratamento clínico

  • Na pancreatite aguda o tratamento é clínico, e o paciente deve ficar em jejum e receber soro na veia. O paciente fica em repouso até que a inflamação regrida. Nos casos em que não ocorre a regressão da inflamação, o tratamento pode ser cirúrgico. Nos casos mais crônicos, além dos cuidados acima, os pacientes precisam repor algumas enzimas pancreáticas por causa da diarreia, e pode ser indicado o tratamento cirúrgico.

Tratamento cirúrgico

  • A ressecção parcial do pâncreas para doença localizada é uma opção cirúrgica. Normalmente, esse procedimento é combinado a um procedimento de drenagem. A pancreatectomia total para controle da dor em pancreatite crônica parece ser uma intervenção muito agressiva, mas está tornando-se cada vez mais comum.

Prognóstico

  • A maioria dos pacientes submetidos à pancreatectomia desenvolve diabetes moderada, o que os tornam dependentes de hipoglicemiantes orais ou de insulina venosa, porém consideram que a qualidade de vida após o procedimento melhorou.
« voltar
mar 25, 2014 | Publicado por in Especialidades | Comentários desativados